Capítulo 13 – As andarilhas

Tempo de leitura: 4 minutos

Um milagre acontecia na minha frente, cada vez que Alencar chegava na sessão sorridente. Naquele dia em especial, ele estava muito mais elegante do que em outros dias e eu, com meu julgamento antecipado pensei: “Ele deve ter alguma reunião muito importante hoje”. Ele se sentou, esboçou um sorriso e disse:

– Dra. Silvia, depois que a conheci, aconteceram tantas coisas em minha vida, que sempre acho que falta tempo para falar tudo. Bem, voltando na parte da Sinestesia, que me explicou outro dia, pude observar com maior atenção aos sinais e me surpreendi, com o que constatei sobre as minhas dores que a cada hora, estavam em uma parte do corpo.

As apelidei de “andarilhas” de tanto que mudavam de lugar, uma hora nas costas, outra nas pernas, em outro momento fortes queimações próximas ao pescoço, na coluna, até no joelho eu estava com dor.

Após realizados todos os exames solicitados pelos médicos, cada um deles em sua especialidade devida, nada foi diagnosticado e o interessante, é que eles me olham com um ar desconfiado ao falarem o resultado: – O senhor tem certeza que sente dor nas costas a ponto de não conseguir se levantar pela manhã? Foi nesse momento que eu decidi perguntar:

– Alencar e como você está se sentindo agora?
– Então, depois que aprendi direitinho o que você me orientou e passei a colocar em prática, as “andarilhas” desapareceram e começou a sorrir. Ontem mesmo, estive em uma reunião e ao entrar na sala do Presidente da empresa, comecei a sentir meu corpo pesado e meu joelho dar sinais de dor.

Ahhhh só que agora não sou mais aquele Alencar e após nosso teste mágico, a dor sumiu kkkk.

Agora estou atento, as andarilhas já não me incomodam mais, aprendi a lidar com elas e quando o problema é com o meu físico mesmo, como aconteceu outro dia que fui jogar bola com meus filhos, hoje eu sei diferenciar perfeitamente o que é meu e o que é fruto de energias sombrias, a tentarem me envolver.

Ter aprendido isso, ter me voltado as preces e a ocupar-me em servir também a outras pessoas, colaborando de alguma forma com o mundo, mudou minha vida. O mais importante é ter a consciência que não posso me descuidar, senão abrigarei outras dores em meu corpo.

– Como é bom ouvi-lo dizer isso!!!
– A propósito, estou vestido assim porque saindo daqui, vou encontrar meu pai no restaurante, convidei minha esposa, mas ela se recusou a me acompanhar.

Decidi enfrentar as consequências dos meus atos e estou disposto a colher os frutos do meu plantio, hoje tenho fé que no momento certo, vamos conversar e decidir de vez, se continuamos juntos ou não.

Tenho refletido muito a respeito da minha vida, concluí que errei muito com minha família. Hoje só agradeço pela nova oportunidade que Deus está me dando, pela minha saúde e também por resgatar aos poucos a convivência com as crianças, que já nem são tão crianças assim….risos.

Depois do nosso encontro no Shopping aquele dia, meu filho mais velho decidiu me acompanhar em algumas reuniões e sem que eu falasse nada, pediu se eu teria um lugar pra ele, em uma das empresas.

Isso me deixou muito feliz, porque tudo é deles, afinal eu não viverei para sempre. Meu filho do meio quando não me encontra em casa, me liga porque sua faculdade é muito puxada e quando chego do trabalho, as vezes ele já está dormindo. A menina, me dá a impressão que está mais pensativa do que de costume, isso me preocupa, mas tudo a seu tempo.

– Alencar, que tal trocar a preocupação pela ação? Pergunte à ela, está tudo bem com você, posso ajudá-la em alguma coisa?

– Você tem razão, farei isso. Acho que fico com medo da resposta e de não saber o que fazer, ou o que falar. Farei isso, estou adiando também minha conversa com a Irene, minha esposa. Pretendo resolver essas pendências nos próximos dias.

– Isso fará muito bem à você e tenho certeza, que acontecerá o melhor para todos. – Que assim seja! Bem, vou indo porque não quero me atrasar.

Ele saiu animado, agora a esperança de dias melhores, fazia parte do seu cenário de vida. Enquanto há vida, há esperança sempre!

Se você ainda não viu o primeiro episódio, clique aqui:
Constatei também com minha vivência e experiência profissional, que você pode admitir seus erros e recomeçar de uma forma diferente, aprendendo com a  experiência adquirida.  Se você se sentir sózinho(a) nessa jornada e necessitar de ajuda profissional, poderá contar sempre comigo.

E ainda, caso você queira conhecer como ajudei o Alencar nesse processo de auto conhecimento, clique aqui

Ou deixe o seu comentário abaixo, será um prazer respondê-lo(a). E não se esqueça que para receber as atualizações do blog, é só assinar a minha newsletter. Continue acompanhando essa surpreendente trajetória!

Te espero no próximo Artigo! Capítulo 14 – Reencontro de Almas – Até lá!!

Capítulo 13 – As andarilhas
5 (100%) 1 voto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Inscrever-se na newsletter!