Capítulo 17 – Em imersão: é físico ou espiritual?

Tempo de leitura: 3 minutos

Comprovadamente, nosso resultado de trabalho havia sido incrível. Alencar chegou e dessa vez, fui eu que perguntei:
─ Como você está se sentindo Alencar?

─ Estou me sentindo como no capítulo final de um livro, ou nas últimas cenas de uma novela ou filme, em que o amor prevalece e o mocinho e a mocinha, ficam juntos e vivem felizes para sempre….risos.

─ Silvia estou feliz e muito bem com a minha família, minha esposa e filhos. Continuamos frequentando a igreja porque me sinto muito bem e, comecei a auxiliar no centro como médium, ainda um pouco perdido, porém, radiante com a nova experiência!

Preciso dizer também que a terapia me ajudou a trabalhar traumas, revoltas, crenças, aceitação, perdão e outras coisas, que talvez não consiga nomear por hora, mas o primordial, foi me conhecer em relação a sinestesia, isso mudou toda a minha vida para melhor.


Me sinto mais conectado comigo, conheço minhas sensações, conheço as perguntas a serem feitas, identifico as energias a minha volta e isso não tem preço. Eterna gratidão ao seu ensinamento.


De repente ele tira de dentro de um livro, um envelope perolado e antes de me entregar diz o seguinte:

─ Será uma honra tê-la conosco, por favor abra. Peguei aquele envelope, abri e para minha surpresa era o convite de Bodas de Nácar dele e também, o convite de casamento do Sr. Giorgio, seu pai. Mas haviam duas datas com intervalo de um mês, uma da outra.

─ Será uma cerimônia simples para pouquíssimos familiares e amigos e assim que voltarmos de viagem, pedi no centro se seria possível também, sermos abençoados pelos Pretos-Velhos, por isso duas datas. A primeira será na Paróquia e a segunda data será no centro.

Você conhecerá minha família, meus filhos e Da. Elvira, tenho certeza que vai gostar demais dela. Ao que respondi:
─ Preciso pensar Alencar. Fico envaidecida e por demais feliz pela lembrança, mas a ética profissional, não me permite isso. A não ser que eu vá as suas bodas e você arrume outra terapeuta.

─ De jeito nenhum vou arrumar outra, ainda tenho algumas questões a trabalhar, agora por exemplo, preciso de ajuda em relação a minha sogra e ao meu ciúmes da Irene, é tudo muito novo pra mim.

Livre das andarilhas, com a mente e o coração em paz, consciente da minha responsabilidade comigo mesmo, com as minhas atitudes e com minha fé renovada, você não terá tanto trabalho assim comigo…risos. Como você diz: é um passo de cada vez.

Despedimo-nos e ele saiu falando ao telefone: ─ Oi amor ok, encontro com vocês daqui uns quarenta minutos. Meu pai e Da. Elvira devem estar chegando, até já. Beijo!

Já era noite e fiquei ali, admirando aquele lindo convite e pensando o quão é importante nos conhecermos, conhecer nossos sentimentos, identificar, diferenciar e buscar a cura para as nossas dores físicas, emocionais e espirituais, identificar as nossas crenças e seguir em frente.

Só posso agradecer de joelhos a Deus e ao plano espiritual, meus Orixás, Guias e Mentores por todas as bênçãos que recebo, em cada cliente que colaboro a se levantar do chão!
Gratidão! É essa a palavra!

Se você ainda não viu o primeiro episódio, clique aqui:
Constatei também com minha vivência e experiência profissional, que merecemos ser felizes e que a felicidade, é um estado de espírito. Por isso, caso você se sinta sózinho(a) para essa jornada e necessite de ajuda profissional, poderá contar sempre comigo.

E ainda, se você quiser conhecer como eu ajudei o Alencar nesse processo de auto conhecimento, clique aqui será uma honra recebê-lo(a).

Ou deixe o seu comentário abaixo, terei imenso prazer em responder. E não se esqueça que para receber as atualizações do blog, é só assinar a minha newsletter.

Continue acompanhando os nossos Artigos! Até o próximo!

Capítulo 17 – Em imersão: é físico ou espiritual?
5 (100%) 1 voto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Inscrever-se na newsletter!