Capítulo 4 – No mundo real

Tempo de leitura: 5 minutos

Resultados não são alcançados de um dia para o outro, resultado é algo que requer tempo, requer mudanças de crenças, de comportamentos, requer mudanças de pensamentos, etc.

Era um dia ensolarado, acordei animada para mais um dia de trabalho, entrei no consultório e cerca de vinte minutos depois, toca o interfone, era meu cliente Alencar que surgia diante dos meus olhos com barba por fazer, cabelos desgrenhados, calça jeans surrada e novamente, com um olhar perdido. Começou a falar antes mesmo de se sentar:
– Não estou bem desde ontem, não sei bem o que aconteceu. Eu prontamente indaguei: – Como foi o seu final de semana? De imediato seus olhos encheram-se de lágrimas e começou a falar:

– Deve ter sido a lembrança desse acontecimento, que me colocou novamente em conflito. E começou a narrar:
– Comecei a trabalhar muito cedo, meu pai tinha muitas propriedades e negócios espalhados por toda região. O meu casamento, foi praticamente um negócio entre meu pai e uma família alemã local, que trabalhavam no mesmo seguimento e desejavam unir forças e expandir o empreendimento.

Eu era muito jovem  e não levei muito a sério aquela história, até que me vi no altar com uma moça por quem eu tinha apenas um certo carinho e mais nada. Depois de casado, eu queria passear, viajar e ela, queria ficar em casa. Sugeri então, que ela estudasse e assim, poderia me ajudar no escritório de uma das empresas, mas ela disse um sonoro “não”. O tempo foi passando e vieram os filhos. Eu saia de casa para o trabalho e ficava imaginando que naquele dia, eu chegaria e conversaríamos no jantar e, nada acontecia, ela sempre de cara fechada e calada.

Concluí que ela não gostava de mim e, mesmo sendo um negócio feito por nossos pais, eu sonhava com uma família feliz. Eu insistia e a convidava para me acompanhar em algumas viagens de negócios, ela sempre dizia “não posso, temos as crianças”. Meu sogro era como minha esposa, fechado não falava comigo e isso somado ao que ouvi do meu pai, me fez colocar na cabeça que ninguém gostava de mim, me afastei de todos e ouvi do meu filho esse final de semana:

– Você nunca gostou da gente, nunca esteve presente pra saber como eu estava na escola, nunca quis conhecer meus amigos… Alencar estava em lágrimas… respeitei aquele momento e depois de um certo tempo, eu disse:
Realidade é algo único e particular de cada pessoa. Temos o hábito de utilizar filtros que nos fazem selecionar aspectos que nos interessam ou não, e é dessa forma que lidamos com as informações recebidas, o tempo todo. Assim sendo, nossas crenças e valores também são filtros, que nos levam a agir de uma determinada maneira e nos faz, estar atentos de forma seletiva, sobre tudo o que nos cerca.

São as nossas verdades, aquilo que pensamos ou projetamos e, não necessariamente, o que está acontecendo naquele momento. Concluir que ninguém gosta de você, é o que você decretou no seu mundo ilusório, mas você não sabe se é essa a verdade no mundo real. Por acaso sua esposa lhe disse isso? Ou seus filhos? Ou mesmo o seu pai? Você criou essa realidade, baseado naquilo que você pensa e acredita ser verdade.

Uma boa maneira de desvendar esse mistério será perguntando, porque ninguém é médium vidente, para saber o que vai em sua mente. Quando não conseguimos fazer ou sentir algo que desejamos, ou quando fazemos ou sentimos algo que não gostaríamos de fazer ou sentir, passamos por um processo limitante por falta de escolhas conscientes e acabamos atribuindo a algo externo, a nossa responsabilidade diante dos problemas.

Tudo começa e termina em você e sua energia irá fluir exatamente naquilo  que você acredita, daí o resultado do desânimo e das dores no corpo. Seu filho clama pelo seu carinho e atenção, pode até ser uma plantação árdua que deverá ser tratada com muita calma e carinho, mas você está vivo e tudo é possível se você realmente quiser e, acreditar!
Alencar me olhou nos olhos e disse: – Eu fracassei como filho, como marido e como pai. Dessa vez fui eu quem precisou de alguns segundos para respirar e respondi:

Não existe fracasso, o que existe é aquilo que consideramos erro em um determinado momento da vida, numa determinada situação, porque utilizamos uma escolha que nos levou a um resultado diferente do que esperávamos.

Nossa vida é constituída de tentativas e erros, repleta de opções e possibilidades. Sem passar pela experiência não temos como saber exatamente qual será o resultado, porque quando fazemos algo que dá certo, temos o conhecimento e não, algo a aprender. Você não pode se julgar e se condenar se optou por aquilo que você julgava estar certo, dentro das experiências de vida que você tinha.

Pode até ser que você não consiga resgatar tudo exatamente como você sonhava, mas não haverá mais fugas da realidade presente, não haverá mais motivos para fugir de si mesmo em acreditar que ninguém gosta de você, mais uma vez, essa é a sua verdade.
Ele secou os olhos e disse convicto: – Eu creio! Eu não tinha essa consciência de realidade, eu ainda não tentei isso para saber se vai dar certo! É isso, vou tentar. Apertou minha mão e saiu apressado pela porta. Fiquei novamente em reflexão, até que ponto aquilo que você acredita hoje é real? Pense nisso!

Se você ainda não viu o primeiro episódio, clique aqui:
Constato com a minha vivência e experiência profissional, que o fato de não saber lidar com a realidade, nos induz a auto sabotagem. Por esse motivo, caso você se sinta sózinho(a) nessa jornada e necessite de ajuda profissional, poderá contar sempre comigo, ou deixar seu comentário abaixo, será um prazer respondê-lo(a).

E não se esqueça que para receber as atualizações do blog, é só assinar a minha newsletter.
Te espero na próxima quinta-feira, com o próximo Artigo!
– Capítulo 05 – Quem é você no mundo! … Até lá!

Capítulo 4 – No mundo real
5 (100%) 1 voto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Inscrever-se na newsletter!