Capítulo 1 – Qual realidade é a sua?

Tempo de leitura: 4 minutos

É surpreendente a capacidade que o ser humano tem em permitir que sua energia seja vampirizada, sugada. Mas afinal de contas, por onde começar? Alencar veio ao meu consultório e sua queixa era o inconformismo com a própria vida, os conflitos dilacerantes com a família, a falta de motivação no trabalho e algumas dores que pareciam passear pelo seu corpo, além de um cansaço constante.

Ele disse que certo dia, pensando em sua vida concluiu que não tinha ânimo pra nada, não tinha vontade de voltar pra casa, não tinha sequer vontade de sair da cama, andava, mas sentia-se um zumbi sem rumo. Foi aí que ao tomar café em uma padaria, acabou desabafando com um amigo que lhe deu o meu cartão. Naquele momento sentiu como se alguém o estivesse salvando dele mesmo e apesar de nunca ter gostado dessa conversa de psicólogo, resolveu me procurar.

Em nosso primeiro contato ele se surpreendeu muito com o que ouviu de mim, eram muitas informações e ele saiu do consultório em conflito íntimo. Ao mesmo tempo que havia agendado terapia para a semana seguinte, sentia também, que não precisava daquele blá, blá, blá… para melhorar e que talvez, o ideal fosse procurar um outro profissional, quem sabe um psiquiatra, pelo menos ele tomaria remédio e ficaria bom. E assim ele fez, marcou e foi a um psiquiatra que lhe receitou medicamentos para depressão.

No caminho de volta para casa, ele estava animado e confiante que agora tudo seria diferente. Achou melhor também não cancelar a consulta comigo, mas em seu íntimo já havia decidido que não faria terapia coisa nenhuma.

Após uma semana de medicamentos, se viu necessitado de conversar e decidiu novamente me procurar. Dessa vez comecei a explicar-lhe o que estava se passando com ele não só a nível físico, psicológico mas também, a nível energético, espiritual. E orientei como proceder diante de alguns acontecimentos que se passavam com ele nesse momento de crise.

Ele começou a aplicar o que conversávamos e foi melhorando a cada dia, estava entusiasmado e parecia ter readquirido a vitalidade. O psiquiatra já começava a diminuir as doses do medicamento, até que ele foi diagnosticado com um problema de saúde e novamente, foi acometido pelo desânimo e medo.

Recomeçamos nosso trabalho e ele me disse a seguinte frase: – Eu sei exatamente como estar atento, estou me conhecendo cada dia mais mas ainda assim, há momentos em que me pego pensando: – Porque tenho este problema, o que eu fiz de errado?

E foi com esse sentimento de baixa auto estima e de culpa, que prosseguimos nosso trabalho onde deixei claro que eu faria a minha parte, mas precisava que ele fizesse a parte dele com disciplina e constância. Prosseguimos com nosso trabalho e ele agora, já compreendia com clareza a linguagem que o seu próprio corpo revelava não só em relação as dores, mas também, em relação aos seus sentimentos.

Ele já entendia as suas próprias percepções em relação ao mundo e a si mesmo, entendia qual o tipo de energia emanava e qual recebia e como os seus pensamentos e sentimentos, colaboravam para a sua melhora ou sua doença. E foi assim que começamos essa maravilhosa aventura de auto descoberta a qual te convido nesse momento, à participar e se tornar uma pessoa tão feliz e confiante quanto o meu guerreiro cliente “Alencar”.

Este artigo faz parte de uma sequência de episódios que vou compartilhar com você a partir de agora. Junte-se a nós e acompanhe a surpreendente trajetória do Alencar, ao descobrir como libertar-se de tudo o que o induzia ao medo e a insegurança.

Constatei também com minha vivência e experiência profissional, que chegar a esse estado de consciência pode não ser algo fácil, principalmente se você se sentir sózinho(a) para essa jornada. É por esse motivo que caso necessite de ajuda profissional, poderá  contar sempre comigo, ou deixar seu comentário abaixo, será um prazer respondê-lo(a). E não se esqueça que para receber as atualizações do blog, é só preencher com seus dados aqui abaixo e clicar no botão assine já.

Te espero no próximo Artigo – Capítulo 2 – Alencar e…!  Até lá!

Capítulo 1 – Qual realidade é a sua?
5 (100%) 1 voto

2 Comentários


  1. Sensacional!
    Não vejo a hora do próximo capítulo.
    Tenho certeza que está estória somará com todo aprendizado recebido nas sessões de terapia que tive com você e assim, me tornarei ainda mais forte!
    Gratidão.

    Responder

    1. Gratidão Claudio! Você é esforçado, tem sede para aprender e
      empenho para transformar!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Inscrever-se na newsletter!